04 meses de Dublin – Dinheiro acabando… e agora?

Durante uma viagem de intercâmbio, seja ela de três meses, seis meses ou um ano, todo mundo tem um momento de homesick. Homesick é o jeito gringo de definir aquela saudade de casa, da família e da sua ex-vida que ficou no país de origem. Às vezes, o sentimento é tão pesado e tão doído que é quase palpável. Comigo aconteceu exatamente no período entre o terceiro e o quarto mês, quando a busca por um novo lugar para morar se mostrou mais impossível do que uma missão impossível.

Um pequeno parágrafo sobre este assunto: em cerca de um mês, devo ter enviado umas 50 mensagens demonstrando interesse em vagas anunciadas (vulgo, quase implorando). Somente algumas pessoas me responderam e, no fim das contas, estive em nove casas. Após muita procura, encontrei o lugar perfeito, com aluguel que cabia no meu orçamento e tendo três irlandesas como housemates, ou seja: ideal para treinar o inglês. Paguei o depósito e já estava contando os dias pra me mudar quando recebi uma mensagem falando que o aluguel ia ter um aumento de 70 euros. Não cabia mais nas minhas contas. Peguei meu dinheiro de volta e dei adeus ao sonho da casa própria do single bedroom.

tchau casa
Adeus, privacidade! =…(

Para piorar, olhei meu extrato do banco e vi que meu saldo só cobriria mais três meses em Dublin.  Já tinha mandado zilhões de currículos para as mais diversas posições – Kitchen porter, floor staff, cleaner, childminder – sem ter um retorno satisfatório. De acordo com cada um dos meus CVs, cuidei de cerca de 100 crianças, ganhei um campeonato de lavagem de pratos, um troféu de Miss Cleaner e o prêmio Bandeja de Ouro. Brincadeiras à parte, o maior retorno veio através dos sites Rollercoaster e Kangaroo, mas sempre queriam alguém com disponibilidade em período integral ou fora de Dublin.

“Nobody said it was easy” está para os intercambistas como o “Você não sabe o quanto eu caminhei pra chegar até aqui” e o “Valeu a pena, ê ê” está para os formandos clichês. Era bem esse o espírito, só que com a voz chorosa de Chris Martins no meu ouvido todas as manhãs, mesmo se eu estava ouvindo outra coisa. Senti saudade da minha casa, do meu quarto, da minha cama e da vida mais fácil e confortável que tinha no Brasil. Em nenhum momento me arrependi ou pensei em desistir, mas não dá pra negar a pontinha de “WTF?!” que brotou em meus pensamentos.

Até que… tchananãaaa… A sorte começou a mudar!

Aguardem cenas dos próximos capítulos! ;)

Quarta-feira: O pesadelo de voltar antes da hora

Quinta-feira: A virada de mesa

2 Comentários


  1. Aí desço a página esperando o quinto parágrafo com o desenrolar da história, e vejo que terrei que esperar até quinta para ler tudo… OMG. Acho que essa Savana tá aprendendo roteiro com a galera de Game of Thrones. rsrsrs
    Brincadeiras à parte, to curtindo cada vez mais o blog, e aguardando o desenrolar da história.

    Responder

Deixe uma resposta